O JavaScript parece estar desativado no seu navegador. O JavaScript precisa de estar ativado para utilizar corretamente as funcionalidades deste site. Caso não saiba como ativar o JavaScript, pode seguir este link.



Icone doutor

Opiniões dos especialistas

Inggard Lereim; Professor, Doutor em medicina e presidente da Associação Nórdica da Medicina do Tráfego.

Os ferimentos sofridos pelas crianças sentadas em cadeiras viradas para a retaguarda são normalmente ligeiros, face ao que sucede em cadeiras viradas para a frente.

Comparada com a de um adulto, a cabeça de um bebé é quatro vezes mais pesada relativamente ao resto do corpo. O pescoço de um bebé não está suficientemente desenvolvido para sustentar a cabeça. Por isso, é necessário mais apoio e proteção para a cabeça e a região do pescoço. Numa colisão, um cinto de segurança colocado por cima do abdómen pode causar ferimentos no fígado, nos rins e no baço. O cinto tem que ser concebido por forma a contornar a região das ancas da criança, ou deverá ter a forma de Y com uma precinta de entrepernas.

Em colisões laterais, o risco de ferimentos é proporcionalmente maior do que em colisões frontais ou traseiras. Não obstante, só recentemente foi levada a cabo investigação intensiva sobre esse tipo de colisões. Hoje em dia, existem cadeiras auto para crianças com reforços laterais eficazes, submetidas a testes de colisão nas condições exigidas para a homologação ECE, ou em condições ainda mais rigorosas. As cadeiras auto de desenho avançado, fabricadas para suportar esse tipo de colisões, são muitas vezes reforçadas com metal.

As crianças mais pequenas devem sentar-se sempre no centro do banco traseiro

Conduzir no meio do tráfego pode ser perigoso. No entanto, somos obrigados a fazê-lo por motivos práticos. É imperativo proteger as nossas crianças da melhor forma possível. Até aos quatro anos, deverá ser prática normal o uso de cadeiras especiais viradas para a retaguarda. A razão é muito simples: numa cadeira virada para a frente, o aumento do nível de segurança é de 50%, enquanto que numa virada para a retaguarda é de 90-95%! Os pais são os principais responsáveis pela segurança dos seus filhos. Compete-lhes protegê-los da melhor forma possível, incluindo no trânsito, garantindo que todos os ocupantes da viatura estão protegidos de forma firme e segura com sistemas de retenção.


Icone senhora

Kristin Øyen: diretora de comunicação, Trygg Trafikk (Conselho Norueguês da Segurança Rodoviária)

O Trygg Trafikk recomenda que as crianças pequenas usem um sistema de retenção virado para a retaguarda até tão tarde quanto possível.

‘O Trygg Trafikk recomenda que as crianças pequenas usem um sistema de retenção virado para a retaguarda até tão tarde quanto possível e, de preferência, até que atinjam pelo menos os 4 anos de idade. Temos a impressão de que muitos pais estão conscientes de que a posição recomendada é a virada para a retaguarda, mas acreditam que a diferença não é tão grande como na realidade é. Um inquérito que realizámos em 2009 revelou que apenas 3 em cada 10 crianças usam sistemas de retenção de uma forma que otimiza o nível de segurança. Por isso, empreendemos um esforço contínuo para informar os pais e persuadi-los a optar por cadeiras auto viradas para a retaguarda para as suas crianças pequenas.

As crianças convenientemente protegidas por um sistema de retenção virado para a retaguarda saem frequentemente ilesas de um acidente

As colisões mais fortes que um automóvel pode experimentar são as frontais. Nesses casos, uma cadeira auto virada para a retaguarda reduz o risco de ferimentos em cerca de 85%, por oposição a 50% no caso das cadeiras viradas para a frente. As crianças convenientemente protegidas por um sistema de retenção virado para a retaguarda saem frequentemente ilesas de um acidente, mesmo em colisões muito graves.’


Icone senhor

Tommy Petterson: responsável pelos testes de colisão no VTI

“Testes de colisão e acidentes demonstram que as cadeiras auto para crianças viradas para a retaguarda são de longe as mais seguras”

Tommy Peterson é o responsável pelos testes de colisão no VTI (Instituto Nacional de Investigação Rodoviária e do Transporte da Suécia) em Linköping. O VTI é um dos mais importantes institutos europeus em matéria de investigação e testes de cadeiras auto para crianças. Tommy trabalha lá há mais de 20 anos. Muitos anos de investigação, testes de colisão e acidentes revelam que as cadeiras auto para crianças viradas para a retaguarda são de longe as mais seguras.

Tal é demonstrado pela diferença no número de casos de ferimentos e morte em crianças entre diferentes países (Suécia e Alemanha, por exemplo). É obrigatório que todas as crianças com peso inferior a 9 kg se sentem viradas para a retaguarda. Contudo, para crianças com mais de 9 kg, observamos uma grande diferença entre os números das gravemente feridas e mortas na Alemanha (onde as crianças com peso superior a 9 kg se podem sentar viradas para a frente) e na Suécia (onde as crianças se sentam viradas para a retaguarda até aos 4-5 anos).

 

“A Suécia goza das melhores estatísticas do mundo porque as crianças sentam-se viradas para a retaguarda até tão tarde, pelo que estamos a tentar dar o exemplo.“

Por essa razão, a Suécia desenvolveu o Plus Test, um dos testes mais rigorosos do mundo para cadeiras auto para crianças. O teste centra-se numa das colisões com as mais graves consequências: a frontal. Num teste de homologação normal, as cadeiras são sujeitas a uma aceleração que pode atingir 28 G; no Plus Test, sujeitamo-las a 38 G.

A razão para a introdução do Plus Test foi a de que, até 2008, a Suécia tinha em vigor um teste de homologação onde era ensaiada a carga de tração no pescoço. Demasiada carga conduz a ferimentos graves ou à morte. Quando o teste “homologação T” foi revogado em 2008, houve necessidade de criar um novo. Assim, introduzimos o Plus Test, um teste voluntário a que os fabricantes submetem os seus produtos, caso pretendam. O seu objetivo é distinguir as boas das más cadeiras auto para crianças.

As que passam no Plus Test são excecionalmente boas. Até agora, nenhuma cadeira auto para crianças de instalação virada para a frente chegou sequer perto de passar no Plus Test.


Icone enfermeiro

Dr. Tor Einar Calisch, Hospital Universitário de Oslo.

“Recomendo a utilização de cadeiras auto viradas para a retaguarda até tão tarde quanto possível”

Recomendo a utilização de cadeiras auto viradas para a retaguarda até tão tarde quanto possível e, de preferência, até aos 4-5 anos de idade. A cabeça, os ossos e os músculos das crianças pequenas não estão totalmente desenvolvidos. Num impacto frontal, uma cadeira auto instalada corretamente e virada para a retaguarda elimina praticamente os riscos de danos neurológicos graves e morte em crianças pequenas. Numa cadeira virada para a frente, em caso de impacto frontal, a cabeça da criança é atirada para a frente, aumentando o risco de ferimentos graves na cabeça e no pescoço.

As cadeiras auto viradas para a retaguarda reduzem o risco de a criança escorregar para fora do arnês em caso de colisão e, pelo facto, sofrer ferimentos potencialmente fatais. Assistimos a vários destes casos, em que as crianças sofreram ferimentos graves ou morreram no impacto.

“Constatámos que a medida de segurança baseada no uso de cadeiras instaladas corretamente e viradas para a retaguarda salvou várias crianças pequenas.”

Caso seja difícil encontrar espaço para uma cadeira auto virada para a retaguarda, recomenda-se o uso da área ao centro do banco traseiro do automóvel. Constatámos que a medida de segurança baseada no uso de cadeiras instaladas corretamente e viradas para a retaguarda salvou várias crianças pequenas. Caso seja usado o banco dianteiro do passageiro para colocar a cadeira virada para a retaguarda, o airbag tem que ser desativado.